As fantásticas viagens de Gulliver, de Jonathan Swift

Seguindo o cronograma do nosso Clube de Leitura, nesse mês me dediquei a leitura dessa obra-prima de Jonathan Swift, o famoso livro As Viagens de Gulliver.

Esse livro teve sua primeira edição publicada em 1726 e é considerado um clássico da literatura inglesa.

O autor faz uso da chamada sátira irrealista, marcada pelo sarcasmo, pelo humor e pelo uso de personagens e situações imaginárias para criar metáforas que se referem a realidade do mundo na época que a obra foi escrita. Ou seja, espere um livro cheio de críticas sociais.

O livro é narrado em primeira pessoa, pelo próprio personagem principal da história, o médico inglês Lemuel Gulliver, que resolveu escrever um livro contando suas aventuras. Ele é fascinado por viagens, sendo que é justamente à bordo de navios que ele chega aos lugares descritos ao longo do livro.

A história é dividida em quatro partes, de modo que cada parte narra os acontecimentos de suas aventuras em determinado local. E é sobre os principais pontos de cada aventura que eu comentarei abaixo:

As viagens de Gulliver

1- Viagem à Lilipute

Após o naufrágio do navio com o qual viajava, Gulliver acorda numa praia e percebe que está amarrado. Mais do que isso: ele percebe que está amarrado por pessoas minúsculas, extremamente pequenas, que compõem o povo de Lilipute.

Naquela ilha, Gulliver é o gigante que acaba ganhando a empatia da realeza e servindo como arma de guerra daquele povo.

O mais engraçado dessa história é que o reino de Lilipute está em guerra com o reino de Blefuscu, porque diverge da forma como eles quebram os ovos. Isso mesmo! Enquanto um quebra os ovos pela parte de cima, o outro quebra pela parte de baixo, motivo suficiente para gerar uma guerra, um motivo terrivelmente ridículo.

Aparentemente, esse razão é uma referência aos conflitos que surgiram após a Reforma Protestante na Inglaterra, que dividiu católicos e protestantes, que até hoje brigam por questões políticas e de de crenças.

Nessa aventura, Gulliver ainda descreve o sistema educacional utilizado no Reino de Lilipute, onde crianças, meninos e meninas, recebiam o mesmo tipo de educação, sendo que ambos trabalhavam a parte física e intelectual, com foco em questões práticas da vida.

Além disso, não utilizavam o castigo físico como punição, prática comum durante o processo educacional nos últimos séculos.

Após uma confusão num incêndio do palácio real, quando Gulliver urinou para apagar o fogo, ele foi condenado a morte, mas conseguiu fugir e encontrar um navio que o levou até a Inglaterra.

2- Viagem à Brobdingnag

Após embarcar no próximo navio, que se perdeu no meio da rota e acabou atracando numa ilha, Gulliver chega à Brobdingnag: a terra dos Gigantes.

Aqui é interessante notar que Gulliver experimentou tanto ser um gigante, um ser superior em força e tamanho, quanto ser uma pessoa pequena e insignificante, o que muda totalmente a forma como você enxerga o mundo.

Gulliver felizmente foi encontrado por uma família que cuidou dele, especialmente sua “ama”, uma garota chamada Glumdalclitch. Como a família percebeu que ele não era um animal qualquer, o pai passou a utilizá-lo em shows, para ganhar dinheiro.

Até que, finalmente, a existência de Gulliver passa a ser de conhecimento da família Real, que o acolhe, bem como a sua ama, para ser parte do “divertimento” da corte.

E é justamente durante a conversa com Sua Majestade que você se depara com críticas ao fato de que na Inglaterra as pessoas não podiam defender a si mesmas, mas dependiam do exército e da polícia, bem como com a crítica a história dos últimos séculos, manchada por:

"um encadeamento horrível de conjurações, de rebeliões, de chacinas, de morticínios, revoluções, de exílios e dos mais horrendos defeitos que a avereza e o espírito de facção, a hipocrisia, a perfídia, a cruzada, a raiva, a loucura, o ódio, a inveja, a maldade e a ambição podiam engendrar".

O rei de Brobdignag ainda mostrou ter uma visão completamente oposta a política marcada pela corrupção e pelos interesses, como era comum àquela época.

"resumira a ciência de governar em estreitíssimos limites, reduzindo-a ao senso comum, à razão, à justiça, à brandura, à rápida decisão dos processos civis e criminais e a outras práticas semelhantes ao alcance de toda a gente."

Por fim, após ter sua pequena carruagem ter sido levada por uma ave gigante, Gulliver cai no mar, onde é resgatado por um navio e regressa à Inglaterra.

3- Viagem à Lapúcia, aos Balnibardos, à Luggnagg e ao Japão

Fonte: Readomin

Dois anos depois, Gulliver embarca em outra aventura, como capitão de um navio. No entanto, sua embarcação é interceptada por piratas e ele acaba sendo abandonado em alto-mar. Pouco depois, Gulliver acaba se deparando com uma ilha voadora, a ilha de Lapúcia.

Nesse lugar, as pessoas estão profundamente envolvidas em discussões científicas e intelectuais. Na verdade, a ciência é mais importante do que qualquer outra coisa, inclusive as relações humanas e o casamento.

Por conta disso, os lapucianos não se preocupam com os problemas práticos da vida real e acabam ignorando a pobreza e os problemas sociais enfrentados, principalmente, pelo povo que mora em território terrestre, em Balnibardos.

Nesse momento você percebe como a obsessão pelo cientificismo puro pode prejudicar o desenvolvimento e o bem-estar de uma sociedade.

Antes de conseguir para Luggnag, Gulliver espera sua carona em Glubbdudrib, nome que significa Ilha dos Feiticeiros ou Mágicos. Nesse local, ele teve a oportunidade conversar com qualquer pessoa que já tivesse morrido. E o melhor, como já estavam mortas, elas não iriam mentir.

Foi quando Gulliver conversou com Cézar, Homero, Aristóteles, Descartes, entre outras personagens famosos, o que permitiu entender o quanto a história era manipulada e a política era injusta.

"Conheci claramente a razão por que os historiadores transformaram guerreiros imbecis e covardes em grandes capitães; insensatos e pequenos gênios em grandes políticos; bajuladores e cortesões em pessoas de bem; ateus em homens de religião; infames devassos em castos, e delatores de profissão em homens verdadeiros e sinceros."

Quando chega em Luggnag, Gulliver tem a oportunidade de conhecer os imortais. O problema é que essas pessoas viviam eternamente, mas na velhice. Elas não eram jovens para sempre. O que gerava uma série de problemas de ordem social e comportamental, especialmente em relação aos não-mortais.

Por fim, ele chega ao Japão, onde embarca de volta para a Inglaterra.

4- Viagem aos país dos Huyhnhmns

Fonte: Pinterest

Na última viagem de Gulliver, ele chega ao país dos Huyhnhmns. O nome é estranho mesmo, afinal estamos falando do dialeto dos cavalos. Nessa ilha, eles são os animais racionais e predominantes.

Os seres humanos, por outro lado, perderam a sua racionalidade, se tornaram animais extremamente selvagens e reféns de seus instintos primitivos, e são utilizados como animais de carga e criadagem, sendo que até a pele é aproveitada. Esses são os yahus.

A princípio, Gulliver é confundido com um desses yahus, mas logo consegue provar ser diferente. Por isso, ele é acolhido pela família de um desses Huyhnhmns, sendo tratado muito bem por seu amo.

E é nessa parte da história que os diálogos mais profundos são desenvolvidos. Gulliver e seu amo conversam, em várias ocasiões, sobre história, filosofia e a política europeia, sobre as guerras e o comportamento humano.

"Uma cidade está ao agrado de um príncipe e a posse de uma pequena província arredonda o seu Estado? Motivo de guerra. Um povo é ignorante, simples, grosseiro e fraco? Ataca-se chacinando uma parte e reduzindo a outra à escravidão, e isto com o fim de civilizá-lo. (...) As nações pobres estão esfomeadas; as nações ricas são ambiciosas"

Vale registrar que, para o povo Huyhnhmns, era difícil entender o conceito de mentira, poder, governo, lei, punição, entre outros conceitos, porque essas coisas não existiam dentro da sua sociedade e nem existia palavra correspondente em seu próprio idioma.

"Não é imutável a verdade - perguntava ele (o amo) - A verdade não é uma só? Devemos garantir como certo o que é duvidoso? Devemos negar positivamente o que não vemos claramente que pode ser? "
"Os huymhnhmns amam-se reciprocamente, auxiliam-se, amparam-se e consolam-se mutuamente: não se invejam, não são ciosos da felicidade dos vizinhos, não atentam contra a liberdade e a vida dos seus semelhantes: julgar-se-iam infelizes, se algum dia o fizessem."

Na verdade, me parece que o povo Huyhnhmns é retratado como o ser humano deveria ser, em termos de valores e princípios. Enquanto os yahus, representam aquilo que podemos nos tornar ou como agimos em muitos momentos da história: com egoísmo e selvageria.

Gulliver foi tão impactado por essa percepção e pelo convívio com os Huyhnhmns que, quando consegue regressar a Inglaterra, sente dificuldade em retomar o convívio com outros seres humanos e até com a própria família.

Quando ele o faz, não é mais a mesma pessoa de antes. Se torna uma pessoa reservada e se mantém em contato com os cavalos da sua própria propriedade.

Minha opinião sobre essa leitura

Esse livro me surpreendeu positivamente. Eu não havia lido nenhuma resenha sobre essa leitura, e admito que esperava por um livro mais infantil ou com uma temática bem desatualizada, por ser tão antigo, mas não foi isso que encontrei.

A sátira produzida por Swift, em muitas questões, aborda discussões válidas até hoje. E talvez seja por isso que o livro se tornou um clássico. E o melhor: o autor faz isso de forma leve, descontraída e ainda me fez deseja r viajar mais e estudar sobre história, política e filosofia.

Por fim, confesso que minha parte preferida foi a visita ao país dos Huyhnhmns. Se você só puder ler uma história desse livro, então leia essa. Não vai se arrepender!

Enfim, vale a pena ler esse livro!

Caso você queira adquirir esse livro e aproveitar essa leitura, nesse post eu deixo links para fazer os downloads gratuitos dessa obra.

Publicado por

Curiosa, apaixonada por livros e completamente consciente de que ainda tem muito a aprender. Acredita que a educação e o trabalho não apenas libertam, mas também te fazem transbordar. E isso está ao alcance de todos.

One thought on “As fantásticas viagens de Gulliver, de Jonathan Swift

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s